Artigo: A Oktoberfest e a chuva

Por Valmir Zanetti
Presidente do Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau
Diretor executivo do Empório Vila Germânica

 

Vivemos um período difícil, não há nenhum questionamento acerca disso. Mas também vivemos a época do ano em que a nossa vocação turística mostra a sua potência e oportunidade que traz de recursos e divulgação para a nossa cidade. Equalizar esses momentos não é simples, mas necessário.

Enquanto, especialmente pelas redes sociais e sem conhecer a realidade do evento, muita gente aproveitou para criticar a decisão da manutenção da Oktoberfest, na noite em que o rio atingiu o seu pico – de quinta para sexta-feira – 11 mil pessoas estiveram no Parque Vila Germânica.

Se a festa tivesse sido cancelada, como sugeriram várias pessoas, certamente quem se desloca nesta sexta-feira para Blumenau para o último fim de semana do evento não viria mais. Com o rio já baixando, perderíamos a oportunidade de trazer renda para famílias atingidas.

É óbvio que as pessoas que tiveram as suas casas atingidas foram liberadas e não trabalharam. O que é motivo de polêmica para quem não conhece as engrenagens do evento, para nós é simples: não só estamos solidários com esses profissionais e ajudando no que pudermos, mas também entendemos e não exigimos a presença deles nestes momentos.

Se engana quem pensa que é apenas a Vila Germânica que se beneficia com essa decisão. Com os turistas na cidade, os pontos de vendas de souvenires, restaurantes e outras estabelecimentos que mantiveram as suas operações também ganham. E é assim que funciona o ciclo virtuoso do turismo: os visitantes visitam os pontos mais conhecidos da cidade, que empregam cidadãos de todos os bairros e disseminam a verba que eles trazem. Além dos impostos gerados, que são utilizados para manutenção da cidade e para reorganização do município depois de uma situação como esta.

O Convention Bureau parabeniza a decisão corajosa e necessária da Secretaria de Turismo e do Parque Vila Germânica, porque acredita que nesta história não existem dois lados. Existe um só: o cancelamento da Oktoberfest seria apenas perda. De credibilidade, de recursos e de mais um motivo para usarmos a nossa força para restabelecermos a normalidade.

Anúncios

Artigo: Blumenau gourmet

Por Valmir Zanetti
Diretor do Empório Vila Germânica

 

Os produtos gourmet estão em alta. A programação de TV e o crescente número de programas de culinária são uma prova disso. O que se percebe na rotina dos centros de compras é que a moda de cozinhar em casa veio para ficar. E, embora este hábito pareça dizer respeito apenas às pessoas dentro das suas casas, há um movimento comercial e econômico muito grande que envolve panelas, temperos e sabores.

Sentimos isso na nossa rotina no Empório Vila Germânica. Enquanto os blumenauenses geralmente vinham até aqui para comprar poucos itens específicos – cristais, por exemplo – e apenas aproveitavam os nossos pontos gastronômicos, hoje o público conhece, visita e compra nas lojas especializadas em delicatessen e itens gourmet.

Além de proporcionar a experiência de estar em um ponto turístico, o Empório Vila Germânica ampliou o mix de lojas para atender a esses clientes. Quem gosta de cozinhar encontra, por exemplo, uma loja especializada em cortes de carne de pato, outra delicatessen com os melhores produtos locais, temperos de uma das mais celebradas marcas da nossa região e, ainda, vinhos e cervejas.

E o comportamento do turista não é diferente. Ao invés de levar apenas um copo, um prato ou um chapéu, quem visita Blumenau hoje quer levar para casa também os nossos sabores. Enquanto aqui ele consome itens perecíveis – como a cuca ou a torta alemã – acaba levando na bolsa nossas mostardas, temperos especiais e cervejas.

As bebidas, aliás, ganham destaque neste contexto. Embora as nossas cervejas sejam distribuídas em todo o país, há muitos turistas que ainda assim levam para casa as marcas locais quando nos visitam.

A chamada “gourmetização” pode parecer estar apenas na programação da TV ou nas brincadeiras nas redes sociais, mas está aqui, num dos nossos mais movimentados pontos turísticos e de lazer. Agora nos cabe reforçar a nossa identidade gastronômica, nos consolidarmos como Capital Nacional da Cerveja e aí, sim, entendermos que o sabor da gastronomia pode atingir em cheio a nossa economia.

Valmir Zanetti, diretor do Empório Vila Germânica | Imagem: Daniel

Valmir Zanetti, diretor do Empório Vila Germânica | Imagem: Daniel

Artigo: A evolução no nosso turismo

Por Valmir Zanetti
Diretor executivo do Empório Vila Germânica

Blumenau está mudando seu olhar sobre o turismo. A indústria que não tem chaminé deu sinais de revitalização que merecem ser comemorados. Além do crescimento orgânico no número de visitantes em eventos como a Osterdorf, a Vila de Natal, o Festival Brasileiro da Cerveja e o Festival de Botecos, tivemos o aumento no número de visitantes que chegam de fora para aproveitar os nossos atrativos.

O mesmo aconteceu com as lojas e pontos gastronômicos do Empório Vila Germânica: desde que o complexo foi construído, há seis anos, não víamos uma movimentação tão grande de ônibus e carros de passeio de outras cidades. Ao contrário dos cinco anos anteriores, em 2014 não tivemos meses ruins. Nem mesmo abril e setembro, que tradicionalmente eram de quedas acentuadas no número de visitantes, tiveram uma baixa representativa.

Já temos o mais difícil: o turista deseja nos conhecer. No passado, mesmo quando não havia um só local para comprar água aos fins de semana na Rua XV de Novembro ou lojas para venda de souvenires no Parque Vila Germânica, já recebíamos visitantes. Agora que o cenário mudou precisamos aproveitar.

Acontecimentos como a Feirinha da Servidão Wollstein e o Parklet Day são incríveis para a nossa região e os nossos moradores, mas também atraem o turista local que vê em Blumenau a maior cidade da sua região. São iniciativas que devem ser valorizadas e continuadas.

Temos vários desafios pela frente. Do aumento na captação de eventos para serem realizados na nossa região até a revitalização e atualização de roteiros como o das cervejarias artesanais, arquitetônico, dos museus e das igrejas. Precisamos colocar em prática o nosso tão sonhado centro de convenções, traçar estratégias inteligentes de atração de turistas e fazer com que eles sejam melhor atendidos na nossa região. Mas também precisamos valorizar os importantes passos que estão sendo dados.

Torço para que 2014 tenha sido o despertar de uma realidade que a nossa baixa autoestima não nos deixava admitir: somos atrativos para o turista, sim. Agora nos cabe aproveitar essas oportunidades, valorizar o que está sendo feito e darmos um passo de cada vez no caminho da retomada da força turística da nossa região.

Imagem: Daniel Zimmermann

Imagem: Daniel Zimmermann

A realidade online e offline

Por Valmir Zanetti
Diretor executivo do Empório Vila Germânica

Na coluna de Francisco Fresard do dia 16 de setembro, o Santa destaca o Parque Vila Germânica como ponto turístico mais comentado de Blumenau no site de viagens TriAdvisor. O resultado muito nos orgulha não só como empreendedores que mantém seus negócios no Parque, mas também enquanto blumenauenses.

Em setembro o Empório Vila Germânica comemora seis anos. Passaram por aqui enchentes de chope e de água. De um espaço utilizado apenas na Oktoberfest para venda de souvenires, passamos a ser um ponto turístico aberto o ano todo, com opções também para os blumenauenses e pontos gastronômicos que dia a dia conquistam seu espaço.

Nosso calendário de eventos evoluiu muito. Não só com eventos de grande porte como o Festival Brasileiro da Cerveja e o Magia de Natal, que têm suas bases no Parque, mas também com novas feiras e eventos.

Nesta semana mesmo comentávamos entre os lojistas que todos os meses temos uma surpresa. A de agosto, por exemplo, foi o número de ônibus de turismo, que geralmente cai nesta época em comparação julho, quando as férias escolares são aproveitadas por grupos de viagens.

Há inúmeros desafios para melhorarmos ainda mais estes índices. Eles passam pela agenda de eventos, sim. Mas passam também pela infraestrutura de turismo na cidade como um todo.

Somos um empreendimento privado que dialoga com o setor público e entendemos que o Frohsinn e o Biergarten, por exemplo, podem seguir este modelo. Assim como incentivamos e apoiamos melhorias nos demais pontos de atendimento ao turista, como os museus ou as rotas. Num turismo que tem tanto espaço para crescer como o nosso, não há concorrência. Todos ganham quando a região ganha.

Temos orgulho do resultado apresentado pelo TripAdvisor e sabemos que não é um fato isolado, mas fruto de muito trabalho. Nossa visão definida há seis anos era essa: ser referência no turismo do Vale Europeu. E se, numa cidade com 164 anos, em seis anos de atuação o Empório Vila Germânica já conquista estes índices, o blumenauense e o turista podem esperar. Teremos mais motivos para comemorar juntos.

Imagem: Daniel Zimmermann

Imagem: Daniel Zimmermann

Artigo: O nosso olhar sobre Blumenau

Por Valmir Zanetti
Diretor do Empório Vila Germânica

No Santa de 13 de fevereiro, um empresário que não conheço mas passei a admirar expressou uma opinião muito séria sobre Blumenau e o povo blumenauense. Mário Pera apontou que a cidade tem os mesmos problemas da maioria dos 5,5 mil municípios brasileiros e ainda afirma “Ora, esta Blumenau precisa ser mais bem defendida”.

Há tempos venho observando uma insatisfação generalizada com a cidade por diversos motivos. Muitos deles realistas, é verdade. Temos muito a melhorar. Mas qual é a cidade que não tem?

Muitas vezes acabamos por ter uma visão míope de Blumenau e, assim como aquela velha lenda de que para o carioca o Corcovado se tornou invisível ou que o florianopolitano não enxerga a beleza da Ponte Hercílio Luz, não conseguimos visualizar as conquistas que mantemos ou as conquistas que tivemos.

Se os turistas que nos visitam – ao contrário das previsões dos míopes – cada vez mais por conta de nossas belezas e nossos atrativos que vão da gastronomia ao que mantemos da cultura dos nossos imigrantes, defendem e indicam Blumenau, é difícil acreditar que quem mora aqui não consiga ver o mínimo de beleza e oportunidade.

Temos bons motivos para criticar, sim. Mas podemos ver o lado bom. O copo para o blumenauense parece estar sempre meio vazio. Vemos, por exemplo, na falta de mão-de-obra, motivo para reclamar. Mas não percebemos que isso significa um crescimento econômico que poucos municípios podem ser dar ao luxo de dizer que têm.

Mas estamos entre as melhores do país em qualidade de vida, despontando nacionalmente como um destino de eventos gastronômicos e como polo cervejeiro. Mudamos de uma cidade que recebia o turista de compras para uma cidade que recebe os turistas que chegam com a expectativa de conhecer um lugar que se tornou uma marca de qualidade.

Que o blumenauense logo perceba que Blumenau é uma marca. E que precisa ser defendida para trazer benefícios a todos que vivem, trabalham e prosperam por aqui.

Imagem: Daniel Zimmermann

Imagem: Daniel Zimmermann